"A literatura tem essa magia de nos tornar contemporâneos de quem quisermos." (Inês Pedrosa)

quarta-feira, 28 de abril de 2010

O Sábio

O sábio, que renunciou ao sentido e ao eu, ama o real, aceita-o e contenta-se com ele. Libertado de si, curado do medo e da esperança, despreocupado com os signos e o sentido, só habita o tempo na paz aqui, agora e sempre, da presença. Não aguarda nada, mas é atento. Não busca nada, mas é disponível. Não espera nada, mas ama. Todos os sábios disseram, em todas as línguas: "Infinite love, infinite patience". Sabedoria, não de recolhimento, mas de acolhida. O sábio tem o tempo (já que não aguarda nada) e todo o tempo (já que não há outro). Paciência, não da espera, mas da vida, não para o futuro, mas para o presente. Os ocupados se precipitam para o que lhes falta, ou aguardam (pacientemente, dizem eles!) que lhes caia dos céus. O sábio faz, tranqüilamente, o que tem a fazer. Não aguarda nada, e é por isso que não tem impaciência. Nada lhe falta, e é por isso que não se precipita. Lentidão do tempo, lentidão da presença...Todos os dias são hoje, é "o oitavo dia da semana, que não começa e não se esgota em nenhum tempo", e essa presença é exatamente aquilo a que o sábio está presente. Ele ainda vive no tempo? Claro, mas na verdade do tempo. Presente ao presente da presença, ele é aqui e agora, contemporâneo do eterno.

(André Comté-Sponvill)

2 comentários:

Tais Luso disse...

Ótimo.
Pena, Alan, que os sábios já tem uma certa idade... Bem que se não a tivessem, não teriam tanta sabedoria. A ansiedade é própria dos inexperientes.

Tais

Alan Silva disse...

De fato Tais, mas apesar da idade eles tem como prêmio uma segunda infância... e como sabem se divertir os grandes sábios.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...