"A literatura tem essa magia de nos tornar contemporâneos de quem quisermos." (Inês Pedrosa)

domingo, 1 de maio de 2011

Deitado ao fundo

Estou sentado sobre a minha mala
No velho bergantim desmantelado...
Quanto tempo, meu Deus, malbaratado
Em tanta inútil, misteriosa escala!

Joguei a minha bússola quebrada
Às águas fundas... E afinal sem norte,
Como o velho Sindbad de alma cansada
Eu nada mais desejo, nem a morte...

Delícia de ficar deitado ao fundo
Do barco, a vos olhar, velas paradas!
Se em toda parte é sempre o Fim do Mundo

Pra que partir? Sempre se chega, enfim...
Pra que seguir empós das alvoradas
Se, por si mesmas, elas vem a mim?

(Mário Quintana)

Um comentário:

Tais Luso disse...

Olá, Alan, linda esta poesia de Quintana! Ele a ofereceu ao amigo Athos Damasceno Ferreira. Quintana é dentro outros maravilhosos poetas, o meu preferido, vai direto aos meus sentimentos.
Beleza de postagem.
Dê uma olhada aqui, este é meu outro blog, onde há uma postagem para Quintana pelo seu aniversário:

http://taisluso.blogspot.com/2010/05/o-meu-poeta-mario-quintana.html

Abraço para você
Tais Luso

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...